Vídeo: pescadores em fuga abandonam redes com peixes no Rio Paraná

São Paulo — Uma embarcação com dois pescadores que praticavam pesca ilegal no Rio Paraná, em Rosana, interior de São Paulo, foi perseguida pela Polícia Militar Ambiental na quinta-feira (27/6) e conseguiu escapar descartando, na fuga, as redes com os peixes capturados. A estratégia tornou a lancha mais leve e impediu que os fugitivos fossem alcançados (assista abaixo).

O patrulhamento náutico era feito na direção montante da Usina Hidrelétrica Engenheiro Sérgio Motta, próximo à divisa com o Mato Grosso do Sul, local em que a pesca não é permitida. Ao avistarem a lancha de pescadores, os policiais iniciaram a perseguição.

A embarcação, então, fugiu em alta velocidade, descartando as redes de emalhar com os peixes. Segundo a Polícia Ambiental, era uma área com muitas “pauleiras” (troncos de árvores submersos), o que dificultou a navegação e a abordagem policial.

Os pescadores fugiram pela margem direita, no sentido do Mato Grosso do Sul, e não foram alcançados.

1 de 5

Pescadores em fuga abandonaram redes com peixes no Rio Paraná, em Rosana (SP); pescados foram apreendidos pela Polícia Militar Ambiental

Divulgação/Polícia Militar Ambiental

2 de 5

Embarcação com pescadores ilegais fugiu da Polícia Ambiental em Rosana (SP) em direção ao MS

Divulgação/Polícia Militar Ambiental

3 de 5

Pescadores em fuga abandonaram redes com peixes no Rio Paraná, em Rosana (SP); pescados foram apreendidos pela Polícia Militar Ambiental

Divulgação/Polícia Militar Ambiental

4 de 5

Pescadores em fuga abandonaram redes com peixes no Rio Paraná, em Rosana (SP); pescados foram apreendidos pela Polícia Militar Ambiental

Divulgação/Polícia Militar Ambiental

5 de 5

Peixes apreendidos em rede de pesca irregular no Rio Paraná são doados a entidade assistencial de Rosana (SP)

Divulgação/Polícia Militar Ambiental

Os policiais voltaram ao local em que a pesca estava ocorrendo e recolheram os petrechos dispensados — 600 metros de redes de emalhar sem placas de identificação.

Dez peixes da espécie curimbatá e um cascudo abacaxi, totalizando 22 kg, foram devolvidos ao rio. Os peixes emalhados e sem condições de soltura (sem vida e os lesionados pelas malhas), num total de 12,63 kg, foram apreendidos e doados à Associação de Amparo à Criança e Adolescente de Rosana (AACAR).

“Pesque e solte”

Em outra ocorrência no Rio Paraná, também em Rosana, dois homens — de 37 e 42 anos — foram advertidos pela Polícia Ambiental pela prática de pesca amadora irregular.

Os pescadores estavam em dois caiaques e utilizavam caniço, carretilha e molinete em local proibido para a pesca, a menos de 1.500 metros da escada para peixes da Usina Sérgio Motta. O flagrante foi feito na quinta-feira.

1 de 5

Pesca em local proibido no Rio Paraná, em Rosana (SP); dois homens foram advertidos pela Polícia Militar Ambiental

Divulgação/Polícia Militar Ambiental

2 de 5

Pesca em local proibido no Rio Paraná, em Rosana (SP); dois homens foram advertidos pela Polícia Militar Ambiental

Divulgação/Polícia Militar Ambiental

3 de 5

Pesca em local proibido no Rio Paraná, em Rosana (SP); dois homens foram advertidos pela Polícia Militar Ambiental

Divulgação/Polícia Militar Ambiental

4 de 5

Pesca em local proibido no Rio Paraná, em Rosana (SP); dois homens foram advertidos pela Polícia Militar Ambiental

Divulgação/Polícia Militar Ambiental

5 de 5

Pesca em local proibido no Rio Paraná, em Rosana (SP); dois homens foram advertidos pela Polícia Militar Ambiental

Divulgação/Polícia Militar Ambiental

Abordados, os dois homens disseram desconhecer que a prática de pesca era proibida no local. Segundo eles, estavam realizando a modalidade “pesque e solte” (pesca recreativa, sem captura de peixes).

Os pescadores foram apenas advertidos. Foram apreendidos dois remos, duas embarcações do tipo caiaque, um motor de popa, um motor elétrico, dois caniços, um molinete e uma carretilha. Não havia peixes capturados.


Compartilhe: