irmãos caem na porrada juntos


Os irmãos Sakis e Themis Tolis lançaram em 2007 o álbum “Theogonia”, um marco na história do Rotting Christ por introduzir elementos étnicos, assumindo o risco de lançar um trabalho diferente do antecessor, “Sanctus Diavolos”. A aposta rendeu frutos, pois o grupo fez shows ainda maiores, embarcando em uma turnê europeia com abertura do Malevolent Creation, grande banda do death metal norte-americano que, com o álbum “Doomsday X”, encerrava naquele ano o seu maior hiato entre discos até então. A turnê, que tinha tudo para dar certo, foi interessante, para dizer o mínimo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE – TAB 1

Foto: Divulgação

“Essa foi a turnê mais maluca que já fizemos. Foram 40 shows e nos demos muito bem com o Malevolent Creation; mas toda noite havia agitação, toda noite era uma festa”, contou Sakis no livro “Non Serviam: A Biografia Oficial do Rotting Christ”, lançado no Brasil pela Estética Torta, e que está com desconto de 20% com o cupom WHIPLASH20.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE – TAB 2

Segundo Themis, parecia que o Malevolent Creation queria tirar o atraso. “Eles fizeram de tudo; drogas, álcool o dia todo, brigas com outras pessoas, brigas entre si, realmente foi um pesadelo”, afirmou o músico, que na época achou tudo bastante divertido, mas não repetiria a dose. Em determinado momento ele descobriu o significado do termo “empata-foda”. O baixista do Malevolent Creation, acompanhado de uma garota, se desentendeu com o vocalista, que estaria “empatando”, e começaram a brigar de verdade. Em outro momento da turnê, o vocalista do Rotten Sound também sofreu a ira do baixista. Talvez esse tenha sido o motivo da mudança de baixista do grupo americano nessa época.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE – TAB 3

Ainda em 2007 o Rotting Christ, juntamente do norte-americano Incantation, juntou-se aos brasileiros do Krisiun para um giro pela Escandinávia e Europa Oriental, que passou pela Polônia com outra lenda do death metal, o Vader. Infelizmente, assim como na turnê anterior, houve problemas. “Me lembro de que, quando estávamos na Polônia, alguns fascistas, nazis, atacaram o motorista do Krisiun e alguns membros da equipe no ônibus de turnê enquanto a banda estava no local. Sem motivo, só porque eram estrangeiros. Os irmãos saíram atrás dos nazistas poloneses e os encontraram e, deram uma surra neles pra valer, porque, quando o Krisiun cai na porrada, eles caem todos juntos. São três irmãos em uma banda, então você sabe o que esperar (risos)”, relembrou Sakis, confirmando que o trio gaúcho é bom na porrada sonora e na literal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE – TAB 4



Source link

Compartilhe: