Qual é o tamanho de Taylor Swift? Os números respondem | Cultura


Você deve ter ouvido: Taylor Swift não pode ser parada.

Seu último álbum, “The Tortured Poets Department”, vendeu 2,6 milhões de cópias na semana de estreia em abril, rendendo a Swift seu oitavo álbum número 1 da Billboard desde 2020. No Grammy Awards, em fevereiro, ela se tornou a primeira artista a ganhar o álbum do ano quatro vezes. E sua “Eras Tour”, que tomou de assalto os estádios a partir do ano passado, foi retomada no exterior antes de retornar aos EUA em outubro.

  • Herança de João Gilberto: Jornalista pede à Justiça reconhecimento de união estável com o gênio da Bossa Nova
  • Velha novidade: Discos de vinil ultrapassam vendas de CDs no Brasil e atraem músicos e jovens ouvintes

Em 2023, de acordo com o serviço de rastreamento de dados Luminate, uma em cada 78 músicas ouvidas por streaming nos EUA era de Swift. Com produção artística prolífica e conhecimento implacável de negócios, juntamente com seu domínio cultural como celebridade, Swift, 34 anos, criou tal impulso que provavelmente é mais popular, mais onipresente, aos 19 anos de carreira musical profissional, do que nunca.

Isso não é normal.

Mas quão grande é Taylor Swift, em termos do panteão pop de todos os tempos?

Pode ser impossível fazer uma comparação exata entre a carreira de Swift e a dos Beatles – ou Madonna, Michael Jackson, Bruce Springsteen, Elton John ou qualquer ícone que se possa escolher. Além de a música ser pessoal e subjetiva, a natureza do sucesso (e como ele é calculado) mudou drasticamente ao longo do tempo.

Mas a ausência de uma comparação verdadeiramente científica nunca impediu a diversão que advém dos eternos debates sobre esportes e cultura pop do nosso tempo.

Assim, com a carreira de Swift ainda no auge da segunda década, levantamos os números e analisamos os dados, fazendo um balanço do que ela conquistou até agora – e quando conquistou – ao lado de alguns dos maiores sucessos em cada categoria.

Singles de sucesso

Os Beatles, em seu último show, no telhado da Apple, em 1969 — Foto: Divulgação

Quando se trata de singles número 1 da Billboard, os Beatles estabelecem a referência.

Do início dos anos 1960 até a separação do Fab Four em 1970, a banda lançou 64 músicas que chegaram à parada da Billboard que reúne todos os estilos, conhecida como Hot 100. Muitos dos recordes que eles estabeleceram para singles de sucesso ainda permanecem hoje.

Ao focar nos primeiros lugares, os Beatles realmente dominam, com mais músicas líderes nas paradas do que qualque outro artista, um recorde que detêm desde 1965.

Dos 20 primeiros lugares dos Beatles, a maioria veio rapidamente, com 11 músicas, incluindo “I want to hold your hand”, “Love me do” e “Yesterday”, liderando as paradas em 1964 e 1965, seus primeiros anos como um fenômeno novo.

O primeiro hit de Swift no topo das paradas, “We are never ever getting back together”, em 2012, veio sete anos depois de iniciada a sua carreira.

A maior parte do sucesso dos singles de Swift veio ainda mais tarde, com sete de seus 12 números 1 no total, incluindo “Fortnight”, “Cruel summer” e “All too well (Taylor’s Version)”, chegando nos últimos cinco anos.

Mas, como acontece com qualquer comparação entre épocas, devem haver notas de rodapé e asteriscos. Quando olhamos para a década de 1960, contamos apenas os “singles” reais de um artista – músicas lançadas para compra fora de um álbum completo.

  • Na ficção e na vida real: Astros de ‘Renascer’, Sophie Charlotte e Xamã confirmam romance e engrossam lista de casais formados pela novela

Depois de 1998, as regras começaram a mudar para incluir qualquer música no rádio, independentemente de como foi lançada, e eventualmente contar downloads e streams digitais. Pelas regras de hoje, os Beatles teriam ainda mais sucessos do que a contagem oficial da Billboard.

Swift, cujo novo álbum traz 31 músicas, cada uma delas atingindo o Hot 100, dominou com estas novas métricas: Em 2022,ela se tornou a primeira artista a ocupar todo o Top 10 do Hot 100 de uma só vez após o lançamento de “Midnights .” Ela repetiu e expandiu esse feito este ano com músicas de “The Tortured Poets Department”, que ocuparam os 14 primeiros lugares na parada de singles.

A duração da carreira de Swift permitiu que ela entrasse no alardeado estádio dos Beatles.

TAYLOR VS. MICHAEL JACKSON

Vendas de álbuns

Michael Jackson durante show no Morumbi, em São Paulo, em 1993 — Foto: Ivo Gonzalez/Agência O GLOBO

Apesar do sucesso de streaming de Swift, quando se trata de vendas de álbuns o sarrafo só pode ser Michael Jackson.

A carreira de Jackson foi relativamente longa, desde seu tempo como estrela infantil no Jackson 5 até sua morte em 2009, aos 50 anos. Mas a essência da carreira solo de Jackson durou de 1972 a 2001, durante o qual ele lançou 10 álbuns e traçou um arco bastante típico para uma carreira pop: álbuns iniciais (“Got to be there” e “Ben” no início dos anos 1970), um grande avanço – “Off the wall” em 1979 – e um pico, antes de Jackson desacelerar um pouco, pelo menos comercialmente .

Esse pico foi “Thriller” – sem dúvida o pico de todos os picos pop – que saiu em 1982, quando Jackson tinha 24 anos.

Para álbuns, ganhar disco de platina – ou vender 1 milhão de cópias – é a estatística certa. Nas mais de quatro décadas desde que “Thriller” foi lançado, foi certificado 34 vezes como platina pela Associação da Indústria Fonográfica Americana (RIAA), tornando-o um dos álbuns de maior sucesso de todos os tempos.

Os maiores álbuns de Swift até agora são “Fearless”, que é oficialmente 10 vezes platina, e “1989”, nove vezes platina.

No entanto, as certificações de platina de Swift não estão totalmente atualizadas e ainda não contam as vendas de seus lançamentos refeitos as Taylor’s Versions, que não foram contabilizados oficialmente pela RIAA. (Também vale a pena notar que a “venda” de um álbum agora significa algo diferente: uma determinada quantidade de streams ou downloads de músicas é considerada o equivalente a um álbum vendido.)

Usando os dados de vendas mais recentes disponíveis para os álbuns de Swift, que podem nos ajudar a estimar onde estarão suas certificações RIAA quando forem atualizadas, ela começa a se aproximar — até mesmo a passar — dos totais monstruosos de platina de Jackson, dando-nos uma ideia melhor de como irá avançar em relação a Jackson no longo prazo.

Ao todo, os 10 álbuns solo de Jackson foram certificados 72 vezes como platina. Os 11 álbuns originais de Swift foram certificados 50 vezes como platina. Mas as vendas de seus álbuns nos dizem que esse número, incluindo as versões de Taylor, provavelmente estará mais próximo de 90. E ela ainda está em atividade.

TAYLOR VS. MADONNA

Era após Era

Madonna no palco do show em Copacabana exibindo uma Heineken — Foto: Divulgação

A capacidade de reinventar Madonna é a razão pela qual falamos sobre “eras” de artistas, para começar. Outra cantora pop solo inovadora com um enorme pico, um longo período de dominação, um domínio experiente de marketing e uma longevidade inesperada, Madonna teve uma carreira de 43 anos que ainda não terminou

Desde seu segundo álbum, “Like a virgin”, lançado em 1984, quando ela tinha 26 anos, até “Bedtime stories” em 1994, Madonna foi inescapável, ultrapassando os limites da reinvenção visual e sonora.

Examinar os 10 maiores sucessos da Billboard de Madonna em comparação com os de Swift mostra o quão consistentes as duas artistas têm sido por longos períodos de tempo – mas também quando em suas carreiras cada uma estava mais presente.

  • Com 1,5 milhão de seguidores, Carmo Dalla Vecchia conta que não tem haters: ‘A pessoa vai me chamar de viado? Eu já me intitulo viado da família brasileira’

Madonna alcançou o primeiro lugar em três décadas, começando com a faixa-título de “Like a virgin” em 1984. Em seus primeiros 10 anos dominando as paradas, Madonna teve 10 primeiros lugares, dominando rádios, MTV e casas noturnas.

O mais recente dos 12 sucessos número 1 de Madonna (“Music”, de 2000) ocorreu aos 19 anos de sua carreira – onde Swift está agora – aos 42 anos. A fase de renascimento de Madonna, de “Ray of light”em 1998 a “Confessions on a dance floor” em 2005, resultou em seis sucessos no Top 10. Ela tem 38 no total, em comparação com os 59 de Swift até agora.

TAYLOR VS. OS VETERANOS

Turnês e prêmios

Após a premiação, Elton John cantou alguns dos maiores sucessos de sua carreira — Foto: Brendan Smialowski / AFP

Elton John, 77, e Bruce Springsteen, 74, são um ponto de comparação interessante para Swift por causa de sua produtividade, longevidade e aclamação da crítica – tudo isso compensou uma vez que caíram na estrada.

John e Springsteen, ambos veteranos com cerca de 50 anos de carreira, também tiveram períodos de domínio comercial começando na década de 1970 com seus respectivos álbuns “Goodbye Yellow Brick Road” e “Born to run”.

Mas à medida que se estabeleceram na meia-idade das estrelas pop, estagnando comercialmente, eles também persistiram com turnês de longa duração e super bem-sucedidas, alimentadas pela lealdade dos fãs e pela aclamação da crítica.

Observar o faturamento total das turnês de Elton e Bruce os coloca na companhia de Taylor.

A “Farewell Yellow Brick Road Tour” de John, um show de grandes sucessos do final de sua carreira, batizado em homenagem ao seu maior álbum, arrecadou quase US$ 1 bilhão, em parte porque durou seis anos e mais de 300 datas.

  • Luana Piovani fala de Scooby após deixar filho ter conta no Instagram: ‘Paga nem 50% das despesas’

Se você olhar quanto essas grandes turnês faturaram por show, o ranking muda. É aqui que Swift brilha, arrecadando mais de US$ 17 milhões por show. Quando terminar, a “Eras Tour” poderá arrecadar mais de US$ 2 bilhões em vendas de ingressos.

Quanto aos prêmios, embora Swift já tenha ultrapassado Jackson e Springsteen nas indicações ao Grammy, é Beyoncé quem tem o maior número de indicações de todos os tempos.

Beyoncé também é a musicista que mais ganhou Grammys, 32. Mesmo assim, Beyoncé nunca ganhou o prêmio de álbum do ano e venceu apenas uma vez nas principais categorias, que incluem disco, música e álbum do ano, além de melhor artista revelação. Já se passou mais de uma década desde que Beyoncé ganhou um Grammy de primeira linha, quando “Single ladies (put a ring on it)” foi eleita a música do ano.

TAYLOR VS. BEYONCÉ E DRAKE

Pesos Pesados Modernos

A cantora Beyoncé — Foto: Reprodução

Embora a posição geral de Swift em cada uma das categorias que analisamos a coloque em rara companhia histórica, é notável que dois de seus contemporâneos mais imediatos – Beyoncé, 42, e Drake, 37 – também são desafiantes legítimos.

Todos os três artistas manobraram as transições da indústria entre CDs, downloads e streaming para se tornarem superestrelas modernas, ao mesmo tempo que maximizavam bens intangíveis como o alcance cultural e o domínio das celebridades.

Beyoncé, agora com 23 anos de carreira solo após seu tempo com o grupo Destiny’s Child, está ao lado de Swift quando se trata de versatilidade, longevidade e domínio comercial sustentado.

O pico comercial de Beyoncé (até agora) veio com “I am… Sasha Fierce”, lançado em 2008, quando ela tinha 27 anos. Esse álbum vendeu mais de 9 milhões de cópias.

Desde então, embora tenha vendido menos discos, ela se concentrou em diferentes pilares do legado, sendo pioneira no formato de álbum visual (“Beyoncé”, “Lemonade”), fazendo experiências com gêneros (“Renaissance”, “Cowboy Carter”) e ampliando os limites dos espetáculos ao vivo (Coachella, a “Renaissance World Tour”).

Tanto Beyoncé quanto Swift tiveram álbuns em primeiro lugar em vendas este ano, durante novos períodos de produtividade.

Beyoncé também se apresentou duas vezes no Super Bowl – algo que Swift ainda não fez –, um palco onde artistas como Madonna, Jackson e Springsteen solidificaram seu domínio inquantificável sobre cultura.

Rapper canadense Drake — Foto: Instagram / Reprodução

E há também Drake, um hitmaker implacável. Assim como Swift, Drake otimizou sua produção para aproveitar a maneira como o streaming remodelou a indústria e seus elogios para estabelecer recordes, incluindo um total de 328 entradas no Hot 100. Swift, com 232, é o único outro artista com pelo menos 200.

Drake tem 78 sucessos no Top 10 até agora em sua carreira e 13 números 1 decorrentes de uma variedade de projetos. Como rapper e artista convidado frequente, Drake apareceu em muitos sucessos de outros artistas. Entre os maiores sucessos de Drake, ele é um artista convidado em 20, incluindo três primeiros lugares – representando um amplo alcance além de seus próprios lançamentos.

Drake, Beyoncé e Swift têm esta característica moderna em comum: cada um deles está jogando ativamente pelo legado, com um olho na história e outro nos livros dos recordes.

Como uma estudante perspicaz de música e fama, Swift se preocupa em como ela é percebida e como será lembrada quando o barulho diminuir e tudo o que restar forem as músicas – e as estatísticas.

Até agora, está funcionando.



Source link

Compartilhe: